quarta-feira, 17 de junho de 2015

poemas de Angel Cabeza


   ENGANO


   Por cima da mesa 
   minha avó regava com seus olhos
   as flores de plástico.
   Fizesse sol ou chuva
   dormiam intactas na mesma posição.

   Embora minha avó soubesse que as flores
   assim como as fotografias
   permaneciam novas hipoteticamente
   desejava um coração também de plástico.
   Às visitas
   entre o belo espanto das tristes flores
   e uma xícara de chá
   despertava na voz a certidão: 
   estão aí para enganar a morte.







    


         BÍBLICO



         Dentro de mim
         chove há dias.
         Planícies inteiras
         cobertas d´água como
         em um gênese tardio.
         Chove há dias 
         mas em meu dilúvio não
         liberto a pomba
         ou procuro terra seca
         guardo-a em meu peito
         salva-vidas.
         Há um rumor de penas em meu rosto
         um reflexo de vento e sal.
         É de tempestade e horizontes
         que sou feito.







                          FRUTEIRA


                          A diferença entre mim e esta maçã
                          pousada na fruteira é o prazo
                          de validade que temos.
                          Dois objetos mastigados pela ávida
                          ampulheta que não regurgita restos
                          engole o vasto espaço.
                          A maçã
                          enterrada entre seus pares
                          pende seu último suspiro
                          pela folha seca
                          eu aguardo o meu
                          enterrado entre olhares e dentes.
                          Seguimos encharcados de doçura e polpa
                          coisas despercebidas
                          que só os insetos parecem entender
                          enquanto passeiam calmos
                          sobre a escuridão da casca. 
                          Quem passa ao redor
                          não imagina a dor da colheita
                          saber-se semente
                          na aparência de trevas.
                          A fruteira embala o peso da rapidez do dia
                         os sapatos deformam a longevidade do prazo humano
                         não tão duradouro quanto o aroma da fruta
                                            que perpetuará depois da secura.







Angel Cabeza é poeta, cronista e jornalista. Atua como produtor editorial e gráfico no RJ. Publicou os livros Vidro de guardados (2010, ed. autor, poemas), Sempre existe um último momento (2011, Hífen Editorial/Ed. Autor, crônicas). Possui textos em revistas impressas e digitais, no Brasil e na Espanha, entre elas Correio das Artes (A União), Generación Espontanea, Corsário, Bula, Cuarto Própio, Capitu, Zunai, Eutomia, Cronópios, Odara, Sinestesia; e participou de algumas antologias, entre elas Geração em 140 Caracteres (Geração Editorial, 2012), Qasaêd Ila Falastin –  Poemas Para a Palestina (Patuá, 2012), Antologia Escritores da Língua Portuguesa Vol. I (ZL Editora, 2014).


Nenhum comentário: