segunda-feira, 22 de agosto de 2016

três poemas inéditos de Dirceu Villa


le diable jaune, por julia bicalho mendes



ontem

as pessoas de ontem nunca nasceram,
nunca é dia ontem : ontem é uma vala,
um depósito, armazém de ferragens :
as pessoas de ontem comem sorrindo
um sorriso de animais com dor : ontem
tem a indigestão de fotos, de famílias,
de amarelo e de amassado : ontem 
jamais foi o passado, ontem houve
como um sonho contado em pesadelo
e as pessoas de ontem viajam à noite
na mais densa neblina, todas surdas
aos nossos gritos : ontem é um abismo
onde pés deslizam e os rostos vão
cobertos de uma cal de cegar ao sol.
quem quer ontem hoje? e quem será
amanhã senão perdido no limiar do não?

                                       



                                                               a engenharia de eva

                                                                                      todos os rostos terminam em ossos
                                                                                      exôdo em massa, os seus olhos
                                                                                      batalha de flores, o sopro nos lábios
                                                                                      mármore e sol, pedra fundamental

                                                                                      seixos, se apertam; suaves, se duros
                                                                                      sombra de pêra, fluida luz de laranjas
                                                                                      término, régua de curvas do leite
                                                                                      seqüestro, os sentidos; sala e silêncio
                                                                                      todos, seus; um, dois, todos: perdidos.






chute no traseiro

cansado de pisar e de ser pisoteado
em meio às minhas aventuras
tive certa noite um pesadelo
pra acabar de vez com essas frescuras

era amor que me chutava no traseiro
rindo e apontando o meu tinteiro;
aguento flecha, choro, rilhar de dentes
mas isso eu te digo: não há quem aguente

“amor, filho da puta, que diabos?”
e o moleque nem aí, limpando as unhas
e o espaço entre os dentes

e com olhar pênsil de fodaz enfado
“não me amola, que bocejo,
vocês humanos vendem a alma por um beijo”. 







Dirceu Villa (São Paulo, 1975). Poeta, tradutor e ensaísta. Publicou os livros de poemas MCMXCVIII (1998), Descort (2003), Icterofagia (2008) e Transformador, poemas: 1998-2013 (2014). É tradutor de Um anarquista e outros contos, de Joseph Conrad (2009) e de Lustra, de Ezra Pound (2011). 


+ Dirceu Villa nos links: 

-  O Demônio Amarelo
modo de usar & co. 
escamandro 
enfermaria 6

Um comentário:

Cris Ventura disse...
Este comentário foi removido pelo autor.